- A informação que gera opinião!

Sessão tem defesa do flagrante preparado e alerta para falta de recursos

Jessé Lopes (PSL) descreveu na tribuna o caso de uma ação policial que terminou com a descoberta de uma plantação de maconha.

Por Redação

16 de dezembro de 2021

às 14:00

Compartilhe

 Parlamentares defenderam o flagrante preparado e alertaram para a falta de recursos para bancar o Plano 1000, recém lançado pelo Executivo, durante a sessão de quarta-feira (15) da Assembleia Legislativa.

 Jessé Lopes (PSL) descreveu na tribuna o caso de uma ação policial que terminou com a descoberta de uma plantação de maconha em um sítio no município de Garopaba, no litoral barriga verde.

 “Sabem o que aconteceu com o dono dessa plantação? Nada, o juiz não encontrou dentro do processo onde estava a permissão do policial para entrar na casa. É desmotivador para o trabalho da polícia, não pode fazer um flagrante preparado, não pode simular uma compra de drogas, não pode fazer, um absurdo”, avaliou Jessé.

 O parlamentar contou que protocolou projeto de lei prevendo a aplicação de multa para quem for apanhado fumando maconha em locais públicos.

 “Está consumindo droga em locais públicos? Que pague uma multa. Vai resolver o problema das drogas? Não, mas pelo menos fizemos alguma coisa”, admitiu.

 Sargento Lima (PL) apoiou o colega.

 “A política no Brasil foi financiada pelo narcotráfico, por isso a benevolência”, avaliou Lima.

 Por outro lado, Ivan Naatz (PL) alertou os prefeitos sobre a possibilidade de faltar recursos para executar o Plano 1000, que prevê a aplicação de R$ 7,5 bi em cerca de 70 cidades.

 “Cada uma das cidades vai receber R$ 1 mil por habitante, isso significa que para Florianópolis promete entregar mais de R$ 500 mi; em Joinville promete entregar R$ 600 mi; em Lages, R$ 157 mi; Blumenau, R$ 250 mi. Mas não é PIX, tem de ter projeto, dura quatro anos, é um projeto para o futuro governo pagar”, analisou o deputado.

 Naatz ponderou que no próximo ano podem não se repetir as condições econômicas que fizeram disparar a arrecadação em 2021, como o aumento dos combustíveis, a volta da inflação, o retorno das reposições salariais e o fim da pausa do pagamento da dívida do estado para com a União.

 Bruno Souza (Novo) concordou com Naatz.

 “Me preocupam os mesmos fatores, será que tem recursos, será que existe esse dinheiro?”, questionou Bruno, que comparou os prefeitos às crianças da estória de Peter Pan.

 Sede da PMSC em Trombudo Central

 Maurício Eskudlark (PL) informou que está colaborando para concretizar o projeto de construção de uma nova sede para a Polícia Militar em Trombudo Central, no Alto Vale do Itajaí.

 “Já estamos ajudando a viabilizar os recursos, é uma comarca importante e que merece a nossa atenção”.

 Estiagem no Oeste

 Eskudlark pediu a atenção da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca para os problemas enfrentados pela cadeia produtiva do leite no Extremo Oeste decorrentes de outra estiagem que assola a região.

 O parlamentar citou o caso dos municípios de Itapiranga, São João do Oeste e Tunápolis, que juntos produzem cerca de 300 milhões de litros de leite por ano e já começam a sentir os efeitos da seca.

 “Os municípios precisam de apoio da Secretaria de Agricultura, principalmente por causa da estiagem que estão enfrentando”.

 Roteiro político

 Sargento Lima destacou na tribuna visitas que fez aos municípios de Francisco Beltrão (PR), Gramado (RS), Balneário Barra do Sul e Garuva, ambos em Santa Catarina.

 “Como são bonitos os movimentos de direita, o povo vai lá, paga do bolso, faz festa, participa”, relatou Lima, que exibiu no telão do Plenário fotos dos encontros políticos.

 Fonte: ALESC

Últimas notícias

Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.
Campeã da gastança na atual legislatura, vereadora “Solange dos Doces” (PP) já vampirou, sozinha, R$ 71 mil dos cofres públicos; mas comilança de dinheiro dos contribuintes já infectou todo o legislativo municipal, maior devorador de recursos entre todas as Câmaras do Alto Vale.
Enquanto aponta o dedo para falha dos outros, José Thomé esqueceu de fazer suas próprias lições de casa em Rio do Sul (SC). Adivinha quem paga pelo descaso e pelas lambanças dos políticos na última cheia...