- A informação que gera opinião!

Tesouro culpa pandemia de Covid-19 por não cumprir metas do PPA em 2020

Segundo o governo, 42% das 70 metas do Plano Plurianual não foram atendidas; parlamentares cobram mais recursos para Educação e Saúde.

Por Redação

8 de outubro de 2021

às 13:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, afirmou em audiência pública da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional nesta quinta-feira (7) que a pandemia de Covid-19 foi responsável pelo não cumprimento de 42% das 70 metas do Plano Plurianual (PPA) em 2020. Como exemplo de uma meta não alcançada, ele citou o índice de transplantes de órgãos, que ficou em 35 por milhão de habitantes, ante uma meta de 43,6.

 A presidente da comissão, senadora Rose de Freitas (MDB-ES), cobrou a manutenção de leitos de UTI abertos durante a crise sanitária para atender a demanda de cirurgias eletivas e outras urgências. “Havia um déficit de leitos e ficou evidenciado na pandemia. O Brasil passou o pior dos mundos e tantas vidas foram perdidas não só por conta da falta da vacina, mas também pela falta de leitos”, apontou a senadora. Rose de Freitas também considera o orçamento da Educação defasado. “Deve-se até bolsa de estudos e assistência estudantil”, lamentou.

 Leitos

 O secretário de Orçamento Federal, Ariosto Antunes Culau, respondeu que o Ministério da Saúde pode manter leitos por causa do tratamento de pacientes com sequelas da Covid-19. Ele lembrou que o governo teve de editar medidas provisórias de crédito extraordinário para cobrir a oferta de leitos para estados e municípios, sendo que a última (MP 1062/21) dispõe de R$ 9 bilhões.

 “Temos diminuído a necessidade de leitos da Covid-19 e temos outras necessidades em decorrência de enfermidades que deslocaram os leitos disponíveis”, ponderou. “Agora há uma curva de redução da ocupação de leitos de Covid e tem que ser feito este ajuste, mas o Ministério da Saúde deve definir esta estratégia de compatibilização entre leitos para Covid e as demais enfermidades”, observou.

 O secretário disse que o Orçamento para 2022 já prevê a aplicação de vacinas contra Covid-19, incluindo para crianças com menos de 11 anos e terceira dose.

 A deputada Soraya Manato (PSL-ES) também cobrou o reajuste de bolsas para residentes. “É um salário irrisório e muitos residentes sofrem privações”, comentou. Ariosto anunciou que no Orçamento de 2022 deve haver um aumento para bolsa-residência em torno de 23%, passando de R$ 3,3 mil para R$ 4,1 mil.

 Adequação

 Bruno Funchal anunciou que o Executivo deve enviar, entre o fim deste mês e o início de novembro, uma mensagem modificativa do projeto de lei orçamentária para o ano que vem (PLN 19/21). As mudanças devem ajustar os parâmetros da inflação e crescimento, que estão defasados em relação às projeções do mercado.

 Para enviar a mensagem, o governo também espera que o Congresso aprove a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 23/21), que permite o parcelamento do pagamento de precatórios. O pagamento de sentenças judiciais, que tem uma estimativa de R$ 54 bilhões em 2021, deve aumentar para R$ 89 bilhões em 2022 sem a aprovação da PEC.

 As principais razões são o passivo do Fundef e o aumento do volume de processos. “A PEC deve fortalecer a regra fiscal para trazer previsibilidade e controlar a percepção de risco, com custo mais baixo dos juros”, espera o secretário do Tesouro.

 Funchal insistiu que o teto de gastos tem produzido efeitos positivos, como a redução dos juros e a diminuição da dívida pública. “Isso permite um ambiente econômico melhor para sustentar o crescimento nos próximos anos”, prevê.

 Investimentos prioritários

 Os 30 investimentos prioritários do PPA tiveram execução financeira de R$ 7,3 bilhões em 2020 (veja quadro abaixo). Cerca de 62% desses investimentos estão na Defesa, seguidos pelo Transporte (23%) e Recursos Hídricos (8%).

 O PPA também conta com 286 metas de resultados intermediários. Também neste caso, 21% dessas metas foram prejudicadas pela pandemia de Covid-19, segundo o secretário de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria, Gustavo Guimarães. Outros problemas foram a falta de pessoal ou de orçamento, estrutura organizacional inadequada ou marco legal inadequado.

 Guimarães explica que o governo tem ampliado as ferramentas de avaliação e monitoramento de políticas públicas, emitindo 21 recomendações para aperfeiçoar programas que vão depender de mudanças legais no Congresso Nacional. “O cenário vigente de rigidez fiscal aumenta a importância das avaliações como insumo para o Congresso Nacional aperfeiçoar as políticas públicas”, comentou o secretário.

 Obras paradas

 Rose de Freitas também observou que a comissão tem dado prioridade a obras paradas. O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) lamentou que os gastos públicos não têm a mesma qualidade da arrecadação. “Obras iniciadas e paradas são um crime”, apontou. “Há uma falta de comunicação entre governo federal, estadual e municipal. Se perguntar hoje, a maior demanda é creche. Como parlamentar, coloco emenda para construir a creche, mas não fazem.”

 O secretário federal de Controle Interno da Controladoria-Geral da União, Antonio Carlos Bezerra Leonel, comentou que o estoque de obras paradas caiu de 14 mil para 11 mil. Segundo estudo da CGU, as obras paradas estão relacionadas à situação fiscal dos estados e municípios. “É lógico que tem uma questão de planejamento. Às vezes começam uma obra sem os licenciamentos adequados. Ou então a gente constrói uma creche, está pronta e não abre porque precisa contratar as pessoas”, ponderou.

 Leonel apontou para a necessidade de não apenas terminar as obras, mas também providenciar recursos para manter os equipamentos públicos funcionando. “As avaliações têm oportunidades boas de realocação de recursos. A situação está melhorando e o Tesouro está fazendo uma boa gestão da dívida.”

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
As críticas foram expostas na sessão de quarta-feira (13) da Assembleia Legislativa.
Caroline de Toni comandará os trabalhos do colegiado.