- A informação que gera opinião!

Álvaro quer quebrar monopólio estatal na produção de radioisótopos e radiofármacos

Senador Álvaro Dias (Podemos-PR) disse que essa medida evitaria a interrupção do fornecimento desses produtos, necessários ao tratamento do câncer, pela falta de recursos das instituições públicas que os produzem.

Por Redação

22 de setembro de 2021

às 10:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Em pronunciamento, nesta terça-feira (21), o senador Álvaro Dias (Podemos-PR) destacou a necessidade da aprovação de um projeto de sua autoria que quebra o monopólio estatal da produção de radioisótopos e radiofármacos, o que evitaria situações como a atual ameaça a dois milhões de pacientes, com a interrupção do fornecimento desses produtos, necessários ao tratamento do câncer, pela falta de recursos de duas instituições públicas, as únicas que os produzem.

 A proposta foi apresentada em 2010 e aprovada no Senado e permanece há mais de dez anos na Câmara dos Deputados, sem ser colocada em votação. De acordo com Álvaro Dias, o projeto possibilitaria que empresas privadas também produzissem os radioisótopos e radiofármacos, sob rigorosa fiscalização do Conselho Nacional de Energia Nuclear, garantindo, dessa forma, a qualidade do produto fornecido.

 O senador disse que recentemente conversou sobre o assunto com o presidente da Câmara, Arthur Lira, que determinou a constituição de uma Comissão Especial.

 —  Faço esse apelo aos deputados federais integrantes desta Comissão para que os trabalhos sejam rápidos, céleres, a fim de que evitemos esse mal a médio e longo prazo, porque a curto prazo, será impossível. Repito: dois milhões de brasileiros estão sofrendo as consequências, alertou.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O relator do projeto, senador Eduardo Braga (MDB-AM), disse que a aprovação das novas regras vai pacificar as divergências que existem hoje sobre preservação em áreas urbanas no Código Florestal.
Segundo o presidente da República, projeto de lei aprovado por Câmara e Senado contraria o interesse público.
Na Alesc, o PL 386/2021 será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pela Comissão de Finanças e Tributação antes de ser votado em plenário.