- A informação que gera opinião!

Bolsonaro veta projeto que definia município como base de cobrança do IPI

Texto aprovado pelo Congresso gera insegurança jurídica, segundo o governo.

Por Redação

7 de outubro de 2021

às 13:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o Projeto de Lei 1559/15, que define o termo “praça” para efeito de tributação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O veto foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (6), e o Congresso Nacional ainda analisará se será mantido ou não.

 Pelo projeto, “praça” é o município onde está situado o estabelecimento do remetente do produto. Em 2019, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) definiu que o conceito de “praça” não se limita, necessariamente, ao de município, com a possibilidade de abranger também regiões metropolitanas.

 Na visão do Poder Executivo, o texto oriundo do Congresso contraria o interesse público por gerar insegurança jurídica, já que possibilitaria a empresas artifícios para reduzir a incidência do IPI. Além disso, ensejaria o risco potencial de novos litígios em relação a casos já julgados na esfera administrativa.

 Ainda não há uma data para análise do veto ao PL 1559/15, de autoria do ex-deputado William Woo (SP).

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O relator do projeto, senador Eduardo Braga (MDB-AM), disse que a aprovação das novas regras vai pacificar as divergências que existem hoje sobre preservação em áreas urbanas no Código Florestal.
Segundo o presidente da República, projeto de lei aprovado por Câmara e Senado contraria o interesse público.
Na Alesc, o PL 386/2021 será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pela Comissão de Finanças e Tributação antes de ser votado em plenário.