- A informação que gera opinião!

Comissão aprova proposta que assegura paridade entre advogadas e advogados em cargos diretivos na OAB

Fabio Trad especificou na proposta que a paridade deveria ser entre homens e mulheres.

Por Redação

5 de outubro de 2021

às 13:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados aprovou proposta que assegura a paridade entre advogados e advogadas na diretoria e na composição do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), assim como do Conselho Seccional, das Caixas de Assistência e do Conselho da Subseção.

 A proposta, que altera o Estatuto da Advocacia, também assegura a paridade na composição das chapas que disputam eleições internas no órgão.

 O texto aprovado foi o substitutivo do relator, deputado Fábio Trad (PSD-MS), ao Projeto de Lei 4164/20, apresentado pelas deputadas Margarete Coelho (PP-PI) e Soraya Santos (PL-RJ).

 No substitutivo, o relator acatou emendas do deputado Diego Garcia (Pode-PR) para substituir a expressão “igualdade de gênero” por “paridade entre advogadas e advogados” no texto. Em outros trechos do texto, a expressão “gênero” é substituída por “sexo”. Para Trad, são “as expressões que melhor designam o objetivo da política pública afirmativa de dar igualdade de condições às mulheres em órgãos e instituições com poder de decisão”.

 O parlamentar destaca que o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em dezembro de 2020, estabeleceu a paridade entre homens e mulheres nos órgãos diretivos da OAB e nas chapas que se inscrevem para as eleições na instituição.

 “Todavia, esse provimento interno à instituição não esgota a questão normativa, pois essa não dispensa a modificação do Estatuto da Ordem dos Advogados, pela qual se faz lei o direito das mulheres à representação igualitária nos órgãos da instituição”, disse Trad.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O relator do projeto, senador Eduardo Braga (MDB-AM), disse que a aprovação das novas regras vai pacificar as divergências que existem hoje sobre preservação em áreas urbanas no Código Florestal.
Segundo o presidente da República, projeto de lei aprovado por Câmara e Senado contraria o interesse público.
Na Alesc, o PL 386/2021 será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pela Comissão de Finanças e Tributação antes de ser votado em plenário.