- A informação que gera opinião!

Comissão aprova simplificação de processos urbanísticos como diretriz de política urbana

Texto altera Estatuto da Cidade. Objetivo é reduzir prazos e custos da construção civil.

Por Redação

19 de julho de 2021

às 10:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (14), a inclusão, entre as diretrizes da política urbana, da desburocratização das normas e processos urbanísticos. O objetivo é permitir a redução de prazos e de custos para obtenção de licenças e de autorizações e aumentar a oferta não apenas de lotes e de unidades habitacionais, mas também de empreendimentos comerciais, privilegiando a dinamicidade e a diversidade nas cidades.

 A medida está prevista no Projeto de Lei 541/20, da deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF). O relator no colegiado, deputado Pastor Gil (PL-MA), recomendou a aprovação da matéria.

 Gil concordou com o argumento de Paula Belmonte de que ainda é significativa a ineficiência dos processos que envolvem construções, incorporações e loteamentos nas cidades.

 Citando estudo da Booz&Co, Pastor Gil lembrou que o custo adicional de 12% no valor do imóvel para o proprietário deve-se, entre outros fatores, a mudanças nos planos diretores e zoneamentos; a falta de infraestrutura básica nas cidades; e a atrasos e subjetividade nas avaliações de licenças.

 “Há necessidade de grandes e urgentes medidas de modernização da gestão pública, o que envolve investimentos contínuos em capacitação de recursos humanos, em modernização de recursos técnicos e, especialmente, em incorporação de governança orientada pela eficiência, eficácia e economicidade dos resultados”, afirmou o relator.

 O texto altera o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), que hoje já prevê a simplificação da legislação de parcelamento, uso e ocupação do solo e das normas edilícias, com vistas a permitir a redução dos custos e o aumento da oferta dos lotes e unidades habitacionais, mas sem os detalhamentos proposto por Belmonte.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O programa Sinal Vermelho prevê que a letra X escrita na mão da mulher, preferencialmente na cor vermelha, funcione como um sinal de denúncia de situação de violência em curso
Texto do acordo está em análise na Câmara dos Deputados.
A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (29).