- A informação que gera opinião!

Comissão de Seguridade aprova criação de tributo para financiar pesquisas em saúde

Tributo incidirá sobre os pagamentos realizados por empresas brasileiras a empresas estrangeiras detentoras de patentes de medicamentos.

Por Redação

6 de setembro de 2021

às 10:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei Complementar (PLP) 173/19, que institui uma contribuição federal para financiar pesquisas na área da saúde, incluindo o desenvolvimento de novos medicamentos. De acordo com o texto, a Contribuição para Pesquisa e Desenvolvimento da Saúde (Copedes) incidirá, com alíquota de 1%, sobre os pagamentos realizados por empresas brasileiras a empresas estrangeiras detentoras de patentes de medicamentos.

 Conforme a proposta, os recursos da contribuição serão integralmente usados para financiar estudos e pesquisas básicas e aplicadas em saúde realizados por autarquias, fundações e por instituições de ensino superior públicas ou privadas.

 O relator, deputado Dr. Zacharias Calil (DEM-GO) defendeu a aprovação, com emenda, do projeto apresentado pelo ex-deputado Tiririca (PL-SP). Segundo Calil, além da ideia inicial de usar os recursos arrecadados para o desenvolvimento de medicamentos, como previu o autor, é importante assegurar recursos para outras áreas da pesquisa em saúde.

 Ainda segundo o projeto, empresas brasileiras que pagarem a Copedes vão ter direito a um crédito, equivalente ao valor pago, que poderá ser usado para abater a Cide-remessas, um tributo cobrado sobre os royalties pagos a empresas estrangeiras pela transferência de tecnologias.

 A proposta do deputado traz ainda regras para periodicidade de recolhimento da nova contribuição e penalidades para a sonegação, que foram mantidas pelo relator.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O nome legal para condomínios que tenham, ao mesmo tempo, área privativa do morador ou compartilhada com demais moradores, é "condomínio edilício". O relator foi o senador Mecias de Jesus.
As regras para contratações temporárias e os instrumentos de cooperação com a iniciativa privada estão entre os pontos mais criticados pela oposição.
Política estadual estabelece metas para a produção de orgânicos, inclusive na área urbana.