- A informação que gera opinião!

Decreto tira reajuste, salário encolhe e revolta se espalha

Após reajuste vigorar durante meio ano, Revisão Geral Anual é suspensa e servidores municipais amargam redução de vencimentos na Capital do Alto Vale.

Por Redação

21 de julho de 2021

às 16:32

Compartilhe

 Um decreto do prefeito José Thomé suspende, a partir do próximo dia 1º de agosto, o reajuste inflacionário anual de 4,31% incorporado ao vencimento dos servidores e empregados públicos do Executivo e Legislativo de Rio do Sul. O aumento, por meio da Revisão Geral Anual (RGA), havia sido concedido ao funcionalismo municipal em dezembro de 2020 (Lei nº 6.209).

 O decreto, publicado no Diário Oficial dos Municípios de Santa Catarina nesta terça-feira (20), se vale de Decisão (nº 417/2021) e Ofício Circular (nº DGCE/DAP/0008/201) do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE-SC) e da Lei Complementar (nº 173/2020) do governo Bolsonaro, que estabelece o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus e impossibilita aumento de gastos com pessoal até 31 de dezembro de 2021.

 Os valores pagos “até 30/06/2021 não deverão ser restituídos, pois foram recebidos de boa-fé pelos servidores e empregados públicos municipais”, informa o decreto. Agora, um projeto de lei deverá ser encaminhado à Câmara de Vereadores para, efetivamente, revogar o artigo da lei que concedeu o reajuste.

 Na prática, o salário dos servidores volta a ser o que era antes da RGA de 2020. Com o corte, a revolta do funcionalismo público municipal já se espalha feito incêndio em mata seca… E tudo indica que o ‘fogo’ deverá se alastrar e atingir servidores de mais e mais municípios.

 Da Redação

Últimas notícias

Ao todo, 963 unidades escolares, de um total de 1.064, passaram por melhorias.
Alto risco ronda pacientes das Unidades Básicas de Saúde Vila Mariana e Centro/Palmital. Aviso foi divulgado em nome da secretária de Saúde, Rozi Terezinha de Souza. Mensagem tenta amenizar a gravidade da situação ao informar que locais de atendimento estão “temporariamente sem médicos”. Como se tal circunstância não fosse um absurdo inadmissível. O anúncio nem sequer diz quando novos profissionais assumirão as vagas. Apenas sustenta que Rozi “já” tomou providência. Mas, diante de tamanha ameaça, o portal Alto Vale Agora troca o “já” de Rozi por um “POR QUE” dirigido à secretária. Leia e entenda...
A medida valerá após o trânsito em julgado de sentença penal condenatória.