- A informação que gera opinião!

Girão pede rápida tramitação de seus projetos de combate à corrupção durante a pandemia

Um dos projetos duplica as penas de crimes contra a administração pública.

Por Redação

29 de setembro de 2021

às 12:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Em pronunciamento nesta terça-feira (28), o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) pediu a rápida tramitação de dois projetos de lei de sua autoria. Ao defender essas propostas, ele ressaltou que elas têm o objetivo de combater a corrupção durante a pandemia.

 Um dos projetos, o PL 1.797/2020, duplica as penas de crimes contra a administração pública quando estes forem praticados por ocasião de calamidade pública. O outro, o PL 1.871/2020, insere na lista dos crimes hediondos aqueles cometidos contra a administração pública durante calamidade pública.

 O senador também disse que, “depois de dois meses de constantes e injustificáveis adiamentos”, a CPI da Pandemia decidiu atender seu requerimento para que fosse ouvido o ministro Wagner Rosário, da Controladoria Geral da União (CGU), o que aconteceu no último dia 21.

 — Os dados sobre a corrupção durante a pandemia, trazidos pelo ministro, são estarrecedores. O valor total das verbas federais enviadas a estados e municípios apenas para o enfrentamento da pandemia é da ordem de R$ 120 bilhões. Bilhões! Já se provou aí desvio milionário e com potencial de se chegar a R$ 250 milhões — afirmou Girão.

 Segundo o parlamentar, um dos desvios mais graves seria o de R$ 48,7 milhões “desviados na compra de respiradores” destinados a estados do Nordeste.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O relator do projeto, senador Eduardo Braga (MDB-AM), disse que a aprovação das novas regras vai pacificar as divergências que existem hoje sobre preservação em áreas urbanas no Código Florestal.
Segundo o presidente da República, projeto de lei aprovado por Câmara e Senado contraria o interesse público.
Na Alesc, o PL 386/2021 será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pela Comissão de Finanças e Tributação antes de ser votado em plenário.