- A informação que gera opinião!

Isenção de ICMS para medicamentos do kit intubação já está em vigor

Ao todo, 20 medicamentos estão isentos do imposto.

Por Redação

13 de setembro de 2021

às 13:20

Compartilhe

 Entrou em vigor na última semana a lei estadual que isenta do pagamento de ICMS os medicamentos que fazem parte do “kit intubação”, utilizados no tratamento de pacientes com quadros graves de Covid-19. O projeto de lei (PL) que concede a isenção foi aprovado no mês passado pela Assembleia Legislativa e sancionado no dia 3 deste mês pelo governador Carlos Moisés da Silva (sem partido), na forma da Lei 18.197/2021.

 A proposta é de autoria do deputado Milton Hobus (PSD). A medida abrange o imposto incidente sobre a importação e o transporte dos produtos, bem como sobre a diferença entre a alíquota interna e a interestadual.

 Ao todo, 20 medicamentos estão isentos do ICMS: atropina, atracúrio, cisatracúrio, dexmedetomidina, dextrocetamina, diazepam, epinefrina, etomidato, fentanila, haloperidol, lidocaína, midazolam, morfina, norepinefrina, rocurônio, cloreto de suxametônio (succinilcolina), remifentanila, afentanila, sufentalina e pancurônio. O objetivo principal é reduzir os preços dos medicamentos, facilitando principalmente o acesso aos hospitais filantrópicos, cujas receitas caíram com a pandemia.

 Dois pontos do PL aprovado na Assembleia, no entanto, foram vetados pelo governador. O inciso que tratava da isenção de ICMS sobre operações de distribuição dos medicamentos foi retirado da lei, sob a argumentação que esse benefício não está previamente autorizado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

 O outro ponto retirado da lei é o artigo que autorizava o Executivo a manter, por decreto, a isenção, enquanto perdurar a pandemia da Covid-19. No veto, o governo argumentou que as isenções só podem ser deferidas por meio de projeto de lei específico, aprovado pela Assembleia.

 Neste ano, a Alesc já aprovou e o Executivo transformou em lei a isenção de ICMS às vacinas contra a Covid-19 e para o oxigênio hospitalar.

 Fonte: ALESC

Últimas notícias

A medida valerá após o trânsito em julgado de sentença penal condenatória.
A decisão foi tomada junto com os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.
O deputado Jair Miotto é o presidente da Comissão de Ecnomia.