- A informação que gera opinião!

Projeto estimula solidariedade como forma de garantir acesso à educação

Tia Eron afirma que a proposta visa a ampliar exercício da cidadania.

Por Redação

27 de julho de 2021

às 14:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Projeto de Lei 1628/21 estabelece diretrizes para o acesso ao direito social à educação, a partir da priorização dos ideais de coletividade, de solidariedade e do trabalho voluntário. A proposta tramita na Câmara dos Deputados.

 “A proposição visa a ampliar as possibilidades do exercício da cidadania através da solidariedade patrocinada pelo Estado. Para tanto, estimula ações solidárias que possam ser realizadas e valorizadas”, afirma a autora da matéria, deputada Tia Eron (Republicanos-BA).

 Ela destaca que a valorização da experiência extraescolar e a vinculação entre a educação escolar e as práticas sociais devem orientar o pleno acesso ao direito social à educação no Brasil. Exemplo dessas práticas seria o estímulo à monitoria voluntária para orientação de alunos em bibliotecas públicas.

 Segundo Tia Eron, as medidas propostas devem ser seguidas também pela iniciativa privada em suas contratações de recursos humanos. “É de se esperar que as experiências comprovadas nos currículos profissionais dos candidatos selecionados acrescente atuação cidadã e responsabilidade social às empresas que assim agem”, justifica.

 A previsão de custeio relacionado ao aumento das despesas decorrentes do projeto deverá constar da programação orçamentária específica da Seguridade Social.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Orlando Silva disse que apresentará seu relatório nas próximas semanas.
O relator, senador Eduardo Gomes, rejeitou 36 emendas apresentadas ao texto. Em Plenário, quatro requerimentos de destaque para votação de emendas foram retirados pelos autores.
Senador Álvaro Dias (Podemos-PR) disse que essa medida evitaria a interrupção do fornecimento desses produtos, necessários ao tratamento do câncer, pela falta de recursos das instituições públicas que os produzem.