- A informação que gera opinião!

Rejeitado projeto que isenta de tributos aparelhos de ar-condicionado para escolas públicas

A comissão optou por apenas sugerir ao MEC a instalação dos aparelhos, preferencialmente abastecidos por energia fotovoltaica.

Por Redação

14 de setembro de 2021

às 09:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados rejeitou o Projeto de Lei 6608/16, que isenta de contribuições sociais (PIS/Pasep e Cofins) os aparelhos de ar-condicionado adquiridos por escolas públicas. O relator, deputado Diego Garcia (Pode-PR), recomendou a rejeição do texto por entender que as instituições públicas de ensino têm outras necessidades de infraestrutura, mais básicas e urgentes.

 A partir de voto em separado do deputado Pedro Uczai (PT-SC), o colegiado aprovou uma indicação (sugestão), a ser encaminha ao Ministério da Educação, para que estados, Distrito Federal e municípios façam a instalação de equipamentos de ar-condicionado em escolas da rede pública, preferencialmente abastecidos por energia solar fotovoltaica.

 “Infelizmente, as demandas na infraestrutura das escolas brasileiras são de cunho basilar”, comentou Diego Garcia. “Mas, preocupados com o bem-estar de todo o corpo docente e discente, assim como de todos os colaboradores da rede pública de ensino, submetemos a indicação ao ministério”, continuou.

 “Não restam dúvidas de que a falta de infraestrutura nas escolas pode vir a ser um grande entrave para o aprendizado”, disse o autor da proposta rejeitada, deputado Fausto Pinato (PP-SP). Segundo ele, com a isenção fiscal os preços dos equipamentos poderiam diminuir, facilitando a instalação nas escolas.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Orlando Silva disse que apresentará seu relatório nas próximas semanas.
O relator, senador Eduardo Gomes, rejeitou 36 emendas apresentadas ao texto. Em Plenário, quatro requerimentos de destaque para votação de emendas foram retirados pelos autores.
Senador Álvaro Dias (Podemos-PR) disse que essa medida evitaria a interrupção do fornecimento desses produtos, necessários ao tratamento do câncer, pela falta de recursos das instituições públicas que os produzem.