- A informação que gera opinião!

Secretária obstrui investigação na Saúde e atrasa denúncia de suspeita grave ao MP, acusa vereador

Rozi Terezinha de Souza alegou “tempo e número de cópias” como motivos que tornam “inviável” envio de documentos requisitados pelo parlamentar. Agora, Eder Ceola promete fechar de vez o cerco à secretária.

Por Redação

19 de abril de 2022

às 15:19

Compartilhe

 A secretária de Saúde de Taió (SC), Rozi Terezinha de Souza, “acaba de desviar a investigação” sobre a suposta prática médica irregular de assinatura de receitas sem a presença de pacientes e os altos gastos envolvendo um médico credenciado que já recebeu quase R$ 1,4 milhão, acusa o vereador Eder Ceola (Podemos). Ao invés de enviar os documentos solicitados em requerimento do parlamentar, a gestora, no ofício de resposta lido no legislativo, mandou ele ir conferi-los nos setores de compras, da secretaria, e de licitação, da prefeitura.

 A alegação de Rozi de Souza é que “tempo e número de cópias” de ordens de compra, notas fiscais e processos licitatórios e aditivos tornam “inviável” atender a petição do parlamentar. A possível manobra para ganhar tempo é um risco para ela mesma, uma vez que dificultar investigações pode ser caracterizado como crime.

 Indignado por perceber que o legislativo é tratado “como lixo” pela secretária, Ceola reagiu: “Agora ela me prova que realmente deve ter alguma coisa. Não manda a documentação que o vereador pede”. Ele continuou: “A saúde está um caos, sim. Está a cara da secretária!”. Em tom de alerta, voltou a pedir que a gestora seja tirada do cargo: “Se o prefeito [Horst Alexandre Purnhagen – MDB] não demitir essa secretária, ele está assumindo o compromisso desse caos que vai virar a saúde”.

 Eder Ceola anunciou na tribuna que irá refazer o pedido para envio de toda a documentação. E, desta vez, se não for atendido, promete recorrer ao próprio Ministério Público para obter os papéis que busca reunir a fim de embasar a denúncia do caso que quer protocolar no MP.

 Mesmo diante da gravidade da situação, a maioria dos demais vereadores fingiu não ver o clima pegar fogo durante a sessão ordinária, na terça-feira (13), na Câmara Municipal de Taió (SC). VEJA!

 Crise: “A culpa é dela”, diz parlamentar

 Com o mais recente pedido de demissão de uma médica efetiva que atendia no distrito de Passo Manso, sobe para quatro o número de profissionais que faltam em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de Taió. Restam cinco, ou seja, quase metade da equipe já debandou.

 Rozi Terezinha de Souza e vereadores que apoiam a atual gestão tentam tirar a responsabilidade pelo caos das costas da secretária e jogar a culpa pela crise na saúde pública municipal em outro fator: a suposta ausência de especialistas no mercado de trabalho.

 Edésio Fillagranna (PSDB) e Flávio Molinari (MDB) fazem parte do grupo que defende tal desculpa sem qualquer validade legal. Garantir atendimento médico de qualidade à população é uma obrigação fundamental de toda gestão pública. ASSISTA!

 Segundo Ceola, ele teria sido responsabilizado pela secretária, nos “bastidores”, por causa da saída da “Dra. Fabrícia”, ocorrida após o escândalo da investigação que move vir a público.

 Ao rebater a crítica, o parlamentar lembrou que o problema da falta de médicos já é antigo, virou “bagunça” que vai acabar sendo paga pelo “povo”; e devolveu: “a culpa é dela! [Rozi de Souza]”.

 Novas denúncias: “humilhação” e mais suspeitas

 Ainda de acordo com o vereador Eder Ceola, os médicos “são perseguidos, são jogados [transferidos de local], e tratados como lixo”. A humilhação seria um dos motivos por trás do fato de ninguém querer vir trabalhar na área da saúde em Taió. Falta “humanização”, apontou.

 Referindo-se ao clínico geral credenciado que teria recebido da prefeitura R$ 546 mil somente em 2021, ele desafiou: “Pode fazer um credenciamento lá… O médico para ganhar meio milhão em um ano… não vem!”

 Para o parlamentar, nem mesmo o aumento dos salários, de cerca de R$ 15 mil para R$ 19 mil, vai resolver. O Projeto de Lei Complementar (PLC 07/2022), de origem do executivo, foi aprovado na mesma sessão ordinária, uma semana após a secretária de Saúde fazer pressão.  

 Enquanto isso, profissionais de saúde apontaram ao portal Alto Vale Agora outras duas irregularidades graves que, segundo eles, ocorrem em Taió. Uma delas é que o médico em questão não poderia estar atendendo em três lugares. A outra seria a entrega de prescrições médicas a terceiros, mesmo sem procuração.

 Assinatura de receitas

 O médico credenciado que se tornou o pivô da investigação na Câmara de Vereadores presta serviços através de sua empresa desde 2018. A justificativa do executivo seria “suprir a demanda” de atendimento a pacientes.

 Segundo Eder Ceola, o clínico geral recebeu quase a totalidade dos pagamentos na atual gestão da prefeitura: R$ 1,26 milhão.

 Só este ano, o valor já atingiu R$ 382 mil, o que dá rendimento médio mensal de R$ 127 mil.

 Parte do serviço é a mera assinatura de receitas, irregularidade que a própria secretária de Saúde admitiu na tribuna da Câmara de Vereadores durante a sessão ordinária da terça-feira (5).

 A prática é proibida por dois pareceres do Conselho Federal de Medicina (CFM), conforme reportou o portal Alto Vale Agora com exclusividade.

 Vagas para médicos efetivos. Alguém se habilita?

 A Secretaria Municipal de Saúde informou que planeja lançar um novo processo seletivo para contratação de médicos. Resta saber se haverá interessados em trabalhar no município recebendo seis vezes e meia a menos como efetivo.

 Pelo visto, a “solução” de pagar – há anos e com gasto milionário – um médico credenciado por causa da alegada falta de profissionais nos postinhos, tornou-se parte importante do próprio problema.

 Mas desta vez, a situação não atinge somente a população. Cabeças poderão rolar…

 Resposta de Rozi

 Abaixo, você pode assistir a leitura do conteúdo dos ofícios encaminhados pela secretária Rozi de Souza em resposta aos requerimentos do vereador Eder Ceola. ACOMPANHE!

(Requerimentos: 22/2022 e 23/2022 | Ofícios: SMS/129 e SMS/132 | PLC: 07/2022 | Câmara Municipal de Taió: Sessão Ordinária, “12/03/2022”. Obs.: Data, na tarja verde do vídeo, creditada de forma incorreta durante a transmissão do legislativo. O mês é “04”, abril.)

Fotomontagem de Capa: Alto Vale Agora

EXCLUSIVO: Confissão de irregularidade grave complica secretária, médico e prefeito de Taió

VÍDEOS: Briga entre Vereador e Secretária revela escândalo na Saúde que deve chegar ao MP

Últimas notícias

Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.
Campeã da gastança na atual legislatura, vereadora “Solange dos Doces” (PP) já vampirou, sozinha, R$ 71 mil dos cofres públicos; mas comilança de dinheiro dos contribuintes já infectou todo o legislativo municipal, maior devorador de recursos entre todas as Câmaras do Alto Vale.
Enquanto aponta o dedo para falha dos outros, José Thomé esqueceu de fazer suas próprias lições de casa em Rio do Sul (SC). Adivinha quem paga pelo descaso e pelas lambanças dos políticos na última cheia...