- A informação que gera opinião!

Vai à Câmara projeto que altera nome do Aeroporto Internacional de Campo Grande

Nelsinho Trad é o autor do projeto, que homenageia o empresário Ueze Elias Zahran, falecido em 2018.

Por Redação

5 de agosto de 2021

às 11:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Senado aprovou nesta quarta-feira (4) o PL 2.695/2021, projeto de lei que muda o nome do Aeroporto Internacional de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, para Aeroporto Internacional de Campo Grande – Ueze Elias Zahran. A matéria segue para exame da Câmara dos Deputados.

 O autor do projeto, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), destacou a biografia do homenageado, Ueze Elias Zahran, e seus feitos na cidade de Campo Grande e no estado de Mato Grosso do Sul. O texto foi relatado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT).

 Em seu parecer, Wellington destaca que o homenageado nasceu em Bela Vista, na fronteira com o Paraguai, em 15 de agosto de 1924. Também afirma que “Ueze Elias Zahran se tornou um empresário de renome mundial em razão de sua visão de futuro e empreendedorismo. Entre seus feitos está a criação da empresa de distribuição de gás Copagaz, em 1955; a constituição da Rede Mato-grossense de Comunicação, com sete emissoras de TV, rádios e sites, e uma das maiores empresas do setor do país; e a obtenção dos títulos de Cidadão Paulistano pela Câmara Municipal de São Paulo e de Guardião dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio”.

 Nelsinho Trad ressalta, na justificativa do projeto, que Zahran, em sua vida como empresário, dedicou-se aos mais diversos ramos da economia, como telecomunicações e energia, sempre priorizando a responsabilidade social. Além de Nelsinho Trad, o senador Carlos Fávaro (PSD-MT) também destacou a atuação profissional de Zahran, que faleceu em dezembro de 2018, aos 94 anos.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Orlando Silva disse que apresentará seu relatório nas próximas semanas.
O relator, senador Eduardo Gomes, rejeitou 36 emendas apresentadas ao texto. Em Plenário, quatro requerimentos de destaque para votação de emendas foram retirados pelos autores.
Senador Álvaro Dias (Podemos-PR) disse que essa medida evitaria a interrupção do fornecimento desses produtos, necessários ao tratamento do câncer, pela falta de recursos das instituições públicas que os produzem.