- A informação que gera opinião!

Prática médica proibida se espalha por municípios da região

Reportagem exclusiva do portal Alto Vale Agora rompeu silêncio em torno de ato grave que pode até mesmo ameaçar a vida de pacientes.

Por Redação

25 de abril de 2022

às 08:00

Compartilhe

  Condenada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), irregularidade parece contar com proteção e cumplicidade das próprias autoridades de saúde. Também está acontecendo no seu município? Saiba como denunciar.

 Proibida por dois pareceres do Conselho Federal de Medicina (CFM), a assinatura de receitas médicas sem a presença de pacientes já pode ter contaminado secretarias municipais de Saúde de vários municípios da região. É o que revelam novas informações obtidas com exclusividade pelo portal Alto Vale Agora.

 Uma fonte ouvida pela nossa reportagem informou que flagrou 80 prescrições assinadas por um só médico, todas com a mesma data.

 Consultar tantos pacientes, um a um, em apenas um dia, seria humanamente impossível.

 Além disso, o especialista dá expediente em uma unidade de saúde pública municipal onde cada profissional atende diariamente apenas 12 pacientes no consultório.

 A pedido do informante não vamos publicar nomes, nem a cidade onde estaria ocorrendo a irregularidade apontada.

 Os novos indícios da prática da grave infração surgem após a repercussão das reportagens deste portal sobre o escândalo e o caos na rede pública municipal de Taió (SC).

 Investigadas pelo vereador Eder Ceola (Podemos), as suspeitas deverão acabar sendo denunciadas ao Ministério Público.

 Um clínico geral credenciado pela prefeitura taioense é apontado por supostamente assinar prescrições sem ver pacientes e, por cima, estar sendo pago como se tivesse feito uma consulta normal, ou seja, “R$ 50,00 por pessoa”.

 A própria secretária de Saúde, Rozi Terezinha de Souza, admitiu o desvio em plena tribuna da Câmara Municipal.

 Durante a sessão ordinária de terça-feira (5), a gestora deixou escapar que “toda receita é um atendimento médico”.

 Ao invés de enfrentar o caos na saúde do município garantindo o preenchimento das vagas de médicos que faltam nos postinhos, ela ainda chegou a fazer uma espécie de terrorismo aos pacientes. REPARE!

 Grave: assinar receitas sem ver pacientes

 A prática de assinar receitas para renovação de compra de medicamentos sem a presença de pacientes no consultório parece contar com a proteção e a cumplicidade das próprias autoridades de saúde pública. O pretexto é sempre o mesmo: agilizar os “atendimentos” e reduzir as filas.

 O doente, muitas vezes, pode concordar com a ilegalidade enganando-se que, dessa maneira, facilita a situação para o seu lado.

 Porém, a irregularidade pode colocar a sua vida em risco. Afinal, sem a nova consulta fica impossível atualizar o diagnóstico e, se necessário, fazer eventuais ajustes de dosagem e acrescentar ou retirar medicamentos.

 A prática pode, inclusive, acabar gerando esquemas de fraude e corrupção envolvendo o comércio de prescrições médicas.

 Denuncie!

 Para que médicos sejam investigados, o Conselho Regional de Medicina (CRM-SC) precisa ser oficializado formalmente, através de denúncia.

 O CRM-SC informa que é bem simples: “qualquer pessoa pode fazer uma denúncia contra um médico, hospital ou instituição prestadora de serviços médicos”.

 Ao detectar o problema na sua cidade, basta encaminhar a queixa com o relato do fato, o nome do médico ou da instituição e data e local. A denúncia pode ser feita online, através do site: www.crmsc.org.br/denuncia

 A autarquia garante que todos os relatos que recebe são averiguados. 

 O Código de Processo Ético-Profissional (Resolução CFM nº 2.145/2016 – Art. 1º) resguarda o sigilo processual dos casos, finaliza o CRM.

Não é permitido repetir receitas médicas sem o exame direto do paciente, alerta CRM. (Foto: Internet)

Fotomontagem de Capa: Alto Vale Agora

Secretária obstrui investigação na Saúde e atrasa denúncia de suspeita grave ao MP, acusa vereador

EXCLUSIVO: Confissão de irregularidade grave complica secretária, médico e prefeito de Taió

VÍDEOS: Briga entre Vereador e Secretária revela escândalo na Saúde que deve chegar ao MP

Últimas notícias

Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.
Campeã da gastança na atual legislatura, vereadora “Solange dos Doces” (PP) já vampirou, sozinha, R$ 71 mil dos cofres públicos; mas comilança de dinheiro dos contribuintes já infectou todo o legislativo municipal, maior devorador de recursos entre todas as Câmaras do Alto Vale.
Enquanto aponta o dedo para falha dos outros, José Thomé esqueceu de fazer suas próprias lições de casa em Rio do Sul (SC). Adivinha quem paga pelo descaso e pelas lambanças dos políticos na última cheia...